18 maio 2005

Instituição vs Organismo

Temos muito a aprender quando observamos uma colmeia. Se olharmos com atenção, vemos que um habitat bastante complexo funciona sem que haja uma organização demasiado estruturada. Existe um indivíduo principal, a que chamamos rainha, mas essa rainha não dá ordens às outras abelhas, simplesmente desempenha a sua função. E todas as abelhas desempenham a sua função, sem necessidade de qualquer hierarquia. Todas sabem quais as suas funções e as desempenham. E quando chegam a um determinado tamanho, criam uma nova colmeia, com uma nova rainha.

Por alguma razão, a igreja mudou bastante nesse aspecto. No início a igreja funcionava assim, como um organismo. Não existia uma hierarquia clara. Existiam apóstolos, anciãos, profetas, evangelistas, e todos desempenhavam a sua função, assim como todos os outros membros da igreja. Mais tarde a igreja começou lentamente a hierarquizar-se, até que chegamos ao momento actual, em que a maioria das igrejas parece-se mais com uma empresa (em termos de hierarquia) do que com uma comunidade.

E essa hierarquia, que pensava-se que facilitaria o desenvolvimento da igreja, criou diversos problemas: Líderes exaustos por terem de fazer quase tudo. Membros apáticos, que em vez de desempenharem naturalmente a sua função, limitam-se a assistir aos eventos. Pessoas frustradas com a falta de sentido de comunidade. E outros problemas poderiam ser apontados.

Quem ganha com a hierarquização da igreja? Penso que ninguém. Se ninguém ganha nada com isso, talvez esteja na altura de fazermos algo para mudar...

2 comentários:

paula do ó barreto disse...

Desde há 3 anos para cá uma nova perspectiva tem vindo a se criar na minha mente, e Deus está presente nesta nova perspectiva de ver o que é igreja. Tenho visto muita coisa, e principalmente, o que não é Igreja. Por um lado é importante entender e consciencializar-me do que não é igreja, porém, eu quero ir mais além e compreender na sua essência o que é Igreja, como é que ela se torna relevante no meu dia a dia.
No que diz respeito à hierarquização da Igreja, eu pergunto-me, onde se situa o que Jesus fez quando lavou os pés aos discípulos? Que hierarquização é esta em que temos o exemplo do próprio Deus que se despiu da sua glória e tornou-se homem comum, mortal e limitado, Jesus o supremo Senhor, ajoelhou-se e lavou os pés aos discípulos, coisa designada aos escravos. Embora tivesse reconhecido que era Senhor e tinha autoridade, ele humilhou-se, ele veio para servir e não para ser servido.
O que nós temos feito com a hierarquização? Com os títulos, com os doutores e mestres? Será que a hierarquização tem levado a haver quem sirva e a quem seja servido? Os pastores, os evangelistas, pessoas chamadas para o ministério, reconhecem que estão no corpo de Cristo para servir?
Como é que eu posso servir os outros? Lavo os pés aos meus amigos e pronto? Já servi? Como é que isso se torna relevante na minha vida? No meu dia-a-dia. Jesus amou-os ao extremo. Amar os outros leva-me a servi-los. Que Deus me dê esse amor.

marco disse...

Muito interessante esta associação de ideias com a colmeia. Fez-me pensar.