24 maio 2005

Peixe frito

Uma receita de peixe frito passou de pessoa em pessoa. Pega-se no peixe, tira-se o rabo e a cabeça do peixe, põe-se um determinado número de especiarias, e leva-se a fritar. Acompanha-se com batatas.

Quando essa receita chegou a uma pessoa, essa pessoa achou curisoso que se tirasse a cabeça e o rabo. Porquê isso? E perguntou à pessoa que lhe passou a receita, e ela não soube responder. "Sempre se fez assim", disse ela. Essa pessoa ainda ficou mais curiosa, e foi de pessoa em pessoa, para descobrir a razão disso, cada vez mais perto da origem da receita. Até que chegou a uma avozinha já bem idosa, que tinha inventada a receita. "Porque se corta a cabeça e o rabo do peixe?" perguntou à idosa, ao que ela respondeu: "Ah! Isso é porque a minha frigideira é pequena e o peixe não cabe inteiro lá dentro."

Quantas vezes continuamos a impôr tradições, quando a razão para a tradição já não existe? As tradições são criadas para irem ao encontro de uma necessidade. Quando essa necessidade deixa de existir, é melhor deitar fora essa tradição.

1 comentário:

marco disse...

A tradição que serve o homem e não o contrário. É isso.