28 junho 2005

Franchising de Igrejas

Cada país tem a sua cultura, a sua forma de ser e de estar, as suas particularidades. É pena quando as organizações missonárias e os seus missionários fecham os olhos a isso, e plantam igrejas franchisadas, cópias daquilo que têm nos países de origem. Esse tipo de igreja pode até ser relevante no país de origem, mas não o são quase de certeza no país de destino.

Está na altura de isso acabar, e de começarem a surgir cada vez mais igrejas que estão de acordo com a nossa cultura, sem comprometer as verdades bíblicas. Igrejas que são um espelho da realidade portuguesa, e não da realidade americana, inglesa, ou chinesa. Igrejas que falam à nova geração. Igrejas que conseguem ver e aceitar formas diferentes de louvor e adoração. Formas diferentes de oração. Formas diferentes de comunhão.

Até o McDonalds já vende sopas e Pita Macs, mas nós ainda insistimos nos hinos, e no pastor de fato e gravata, e na rotina de culto (Louvor, Oferta, Pregação), e nas pregações não participativas, e no sei lá mais o quê. Vamos ter a humildade de aceitar que a igreja pode ser bastante diferente, e ainda assim ser igreja.

11 comentários:

Vilma disse...

O melhor exemplo disso que escreveste eu encontrei no navio da OM. Foi algo que me ajudou imenso a ver que cada cultura não precisa de perder o seu traço, que todas as culturas são lindas aos olhos de Deus e que cada um pode manifestar isso com genuidade. Foi muito bonito ver jovens de vários países e culturas a adorar o mesmo Deus mas de maneiras distintas.

Paula disse...

Nuno, isso dá muito trabalho... já viste bem o que se tem de orar, jejuar, pensar em conjunto para se viver igreja de uma forma diferente? (ironia hehehe)
Tens razão...
Tudo se resume, na minha opinião, à dependência do nosso Deus, e a dar os passos que Ele quer.

Paula disse...

Ah e, tu andas muito frequentador do Macdonald's...

Nuno Barreto disse...

O McDonalds paga-me pela publicidade :)

kikas disse...

Era bom que a igreja se renovasse, iria ter muito mais peso do que tem!
Afinal para crer não é necessário estarmos presos ao passado!
kikas

cxp disse...

... fazendo copy/paste do que escrevi a seguir a ter tado c/ppl q começou 1 nova maneira de s tar e criar, 1 nova maneira de ser igreja tb s assim s pode dizer... acho q ta relacionado...desculpem, mas na altura saiu em Ingles; espero q possam aproveitar e re-utilizar o q acharem interessante!

"god blesses small beguinnings..small things... we don't need to have it all.

more intelectual_some times its more actractive

more informal at the same time gets ppl more at ease...

but not of too much "church", worship stuff..
..our culture really. "

Trinity disse...

Eu até aceito que para muitas pessoas a forma como a igreja está hoje instituída faça diferença para elas. O que eu não posso aceitar de forma alguma é que me venham dizer que tem de ser assim (que assim é que é Bíblico), mais um absolutismo do modernismo.
E se isso é mesmo assim, então, eu só posso chegar a uma conclusão pessoal. Nestes moldes, Deus já não faz sentido para mim.
Agora a questão, se Deus não faz sentido para mim, porque é que eu não me consigo desprender dele. Porque é que cada vez sinto mais desejo de estar onde Ele está, de estar em sua presença, de O louvar e adorar.

Nuno Barreto disse...

Se calhar porque Deus não se limita à caixinha do institucionalismo :)

jaime fernandes disse...

Muito obrigado pela visita à ieba.

Quanto a este post, gostaria só de dizer que mesmo com "sopa e pita macs" a comida do McDonalds não deixa de ser "de plástico" (que me desculpem os amantes destas coisas).

Anónimo disse...

Eu, por exemplo, até nem gosto da comida do McDonalds

DTA

Nuno Barreto disse...

Antes que me tomem por um amante da comida do MacDonalds, eu tb sou mais de picanha e feijoada :)