21 outubro 2005

A globalização e a igreja local

Na geração dos meus pais, o mundo ainda não estava tão globalizado. As famílias ficavam sempre na mesma terra, e as pessoas que conhecíamos eram todas dali. E de certa forma isso continua a acontecer fora dos centros urbanos, embora o interior esteja cada vez mais deserto.

No contexto dos grandes centros urbanos a igreja local (igreja das pessoas de uma localidade) deixa cada vez mais de ter sentido. Os nossos relacionamentos estão cada vez mais dispersos. Eu vivo em Massamá, mas a maior parte das pessoas que conheci na universidade, e que conheço na empresa onde trabalho, vivem noutras áreas da grande Lisboa. E o mesmo acontece em termos de igreja. A grande maioria das igrejas já não é local, pois as pessoas que fazem parte delas não moram todas na mesma região.

Quanto mais globalizado for o nosso mundo, menos local será a igreja.

4 comentários:

JOINCANTO disse...

Os padrões que Deus estabelece nunca deixam de ter sentido, por maiores que sejam as mudanças do mundo.
:)

Nuno Barreto disse...

A tua igreja é local? Mais de metade das pessoas vivem na mesma cidade? Se sim, tens uma realidade muito diferente da de Lisboa.

JOINCANTO disse...

A realidade em que vivemos está muito divorciada do que as Escrituras preconizam para cada um de nós. Mas a Palavra de Deus é a verdade e não precisa ser validada pelas nossas experiências ou opiniões (boas ou más).
Abraço Nuno.

Nuno Barreto disse...

Concordo. No entanto não encontro nada na palavra de Deus que diga que uma igreja tem de ser composta por pessoas da mesma zona.

Este artigo serve para constatar um facto, e não para defender uma ou outra posição. A verdade é que a igreja local ou a igreja relacional são ambas válidas.