01 julho 2005

Jesus pregava de chinelos e sem gravata

"Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, mas estes, por dentro, estão cheios de rapina e intemperança! Fariseu cego, limpa primeiro o interior do copo, para que também o seu exterior fique limpo! Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia! Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas, por dentro, estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade." (Mateus 23:25-28)

Quando Jesus veio à terra, a religião tinha-se tornado num jogo de aparências, em que as pessoas importavam-se com o aspecto exterior de santidade, mas por dentro era só porcaria. O que interessa não é a forma de vestir de uma pessoa, mas o seu coração. A forma como vamos vestidos à igreja é importante?

Parecendo que não, esta pergunta depende do que entendemos por igreja. Se entendemos por igreja sempre que os discípulos de Cristo se juntam, então ir à praia com o pessoal é ser igreja, e será ridículo ir de fato e gravata numa situação dessas. Por outro lado, se entendemos por igreja uma missa/culto semanal onde vamos, aí talvez faça sentido seguir as "regras da casa", no sentido de não escandalizar quem lá vive.

Mas a igreja é uma família. Que esquisito seria eu chegar a casa do meu pai, e ele dizer: Vai lá tirar os chinelos e pôr uns sapatos decentes! Não te quero aqui assim! Seria ridículo. No entanto certamente ele ficaria triste se eu não tivesse um sentimento próximo com ele ou com os meus irmãos. E ficaria sem dúvida triste se eu colocasse condições de vestuário aos meus irmãos para estar com eles.

Isso de gravatas e de protocolos, são coisas para pessoas que não têm relacionamentos entre si.

4 comentários:

JOINCANTO disse...

Fui recentemente a um tribunal como testemunha, vesti o meu melhor fato e melhor gravata. Fiz mal?

Nuno Barreto disse...

Bom, parece-me apropriado. Um tribunal não é uma família.

Trinity disse...

Uma pergunta: Jesus pregava??

Paula disse...

Jesus falava, anunciava e conversava, na minha opinião (em resposta à pergunta da paulinha).
Eu concordo. A mim nunca me fez sentido a conversa de que devia dar a minha melhor roupa ao senhor, vestir-me bem ao domingo.
Eu vou lá cultuá-lo, adorá-lo e estar com os meus irmãos. A roupa é irrelevante para mim.